Sindicalismo deve reafirmar sua trajetória de conquistas

Contar a sua história. É isso que os dirigentes deverão fazer para mostrar aos trabalhadores a importância do sindicato na vida deles.

 

O sindicalismo brasileiro dá os seus primeiros passos na segunda década do século passado. Passou por inúmeras transformações. Superou uma ditadura e está presente na Constituição Brasileira.

 

Mas no atual governo federal, os ataques ao movimento sindical são constantes, se utilizam do discurso de modernização, mas no final querem pôr fim às entidades sindicais que tem como objetivo equilibrar a relação capital/trabalho.

 

“Com essa narrativa que está, se não tomarmos uma atitude proativa, nós vamos perder o bonde da história, o governo passará por cima de nós”, disse Antônio Neto, presidente da CSB durante o evento SindiMais realizado no dia 31 de outubro em São Paulo.

 

Nesse momento o mais importante é reafirmar aos trabalhadores a importância de um sindicato representativo e combatente. Contar a trajetória de conquistas se torna importante para o atual momento. Por exemplo, quando se está em negociação coletiva. Ao falar com os trabalhadores é necessário mostrar tudo o que a entidade já conquistou para eles, não somente apresentar o que será negociado com o patronal.

 

“Teremos de contar história para os trabalhadores. Mostrar como foi difícil inserir determinada cláusula na convenção para colocar na cabeça de cada um que a empresa não dá nada de graça, ao ponto de dizer para eles, que enquanto estamos em dissídio coletivo, que a empresa se quer dá o índice da inflação no salário. Espera o resultado da justiça e ainda quer parcelar e ainda joga o trabalhador contra nós”, disse Neto.

 

No mesmo evento o presidente da Força Sindical, Miguel Torres, falou sobre a trajetória de conquistas do movimento sindical. “Foi só o movimento sindical que ganhou? Não! Quem ganhou foi a sociedade. O sindicato trouxe um regulamento de direitos e melhorou a vida dos trabalhadores e trabalhadoras e conseguiu equilibrar a relação capital e trabalho.”

 

O sindicalismo brasileiro não é isolado da sociedade, ele pensa na construção de um país mais justo e fraterno. “Esse é o papel fundamental do movimento sindical. Tudo que foi conquistado é fruto da luta dos sindicatos”, comentou Torres.

 

Os sindicatos lutam por dignidade do trabalhador, melhores salários, entre outras conquistas que contribuam para uma melhora na qualidade de vida do empregado.

 

Os sindicatos devem lutar por melhores salários, melhora na qualidade  de vida de cada trabalhador com melhorias no ambiente de trabalho e isso mostra o quanto a Convenção Coletiva é o item mais importante na luta do sindicato, é com ele que a entidade sindical negociará com o patrão tudo aquilo que é pertinente ao trabalhador.

 

“O movimento sindical unido é forte, ele avança e protege os menos favorecidos”, afirma Torres.

 

 

Fonte: Mundo Sindical

Palavra do Presidente

A Feprop foi constituída como resultado de uma pauta de compromissos assumidos no 1º congresso Nacional dos sindicatos dos Propagandistas e Vendedores de Produtos Farmacêuticos ocorrido em Junho de 2016, na ocasião, além da constituição de nossa Federação foi pont...

ler mais..

COVID-19: renda básica emergencial é cuidar primeiro de quem mais precisa

março 27th, 2020 autor

Câmara aprova auxílio de R$ 600 a trabalhadores durante crise da covid-19

março 27th, 2020 autor

Diminuir salário sem passar por sindicato é ilegal, alertam especialistas

março 26th, 2020 autor

Salário, férias, FGTS, banco de horas: o que mudou por causa do coronavírus

março 26th, 2020 autor

Feprop- federação dos propagandistas e vendedores de produtos farmacêuticos do estado do Rio de Janeiro – CNPJ 27.219.338/0001-95
Rua Prefeito Moreira Neto, 81 sala 301 Centro – Macaé RJ CEP 27.913-090 - Tel: 22 2772-4850 / 21 97422-0769 (WhatsApp)