Relator retira obrigação de imposto sindical da PEC que estipula novas regras para sindicatos

O deputado Fábio Trad (PSD-MS), relator da proposta de emenda à Constituição (PEC) da reforma no sistema sindical, apresentou nesta quarta-feira (11) novo parecer retirando do texto dispositivo que previa o desconto na folha de pagamento dos trabalhadores a entidades sindicais.

 

O texto tramita na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara (CCJ). O relatório ainda será analisado pelos integrantes do grupo. Se aprovado, será discutido em uma comissão especial antes de ir ao plenário. Por acordo, a matéria será discutida e votada apenas na próxima terça-feira (17).

 

O trecho retirado dizia que “é obrigatória a participação das entidades sindicais na negociação coletiva de suas respectivas representações, que será custeada por todos os seus beneficiários e descontada em folha de pagamento”.

 

O ponto, no entanto, é polêmico, porque foi interpretado por parte dos parlamentares como um retorno do imposto sindical.

 

Outro ponto retirado do texto pelo relator dispõe sobre a composição e as atribuições do Conselho Nacional de Organização Sindical, órgão que seria criado para regular o funcionamento das entidades sindicais.

 

“Proponho retirar o artigo que trata da contribuição para negociação coletiva e da composição e atribuições do conselho. Ademais, registro que formas de financiamento e regulamentação serão objeto de discussão na comissão especial”, afirmou Trad em seu voto.

 

 

Os trechos suprimidos pelo relator tem como objetivo facilitar a aprovação do texto na CCJ.

 

Imposto sindical

O recolhimento já havia deixado de ser obrigatório na reforma trabalhista proposta pelo governo do ex-presidente Michel Temer e aprovada pelo Congresso em 2017. Antes da reforma, trabalhadores sindicalizados ou não contribuíam compulsoriamente, por meio do desconto na folha de pagamento.

 

Neste ano, o presidente Jair Bolsonaro editou medida provisória para impedir desconto em folha e determinar que os interessados em contribuir com seus sindicatos deveriam ser feita via boleto. A medida, no entanto, perdeu validade, porque não foi votada a tempo pelo Congresso.

 

Fonte: G1

Palavra do Presidente

A Feprop foi constituída como resultado de uma pauta de compromissos assumidos no 1º congresso Nacional dos sindicatos dos Propagandistas e Vendedores de Produtos Farmacêuticos ocorrido em Junho de 2016, na ocasião, além da constituição de nossa Federação foi pont...

ler mais..

COVID-19: renda básica emergencial é cuidar primeiro de quem mais precisa

março 27th, 2020 autor

Câmara aprova auxílio de R$ 600 a trabalhadores durante crise da covid-19

março 27th, 2020 autor

Diminuir salário sem passar por sindicato é ilegal, alertam especialistas

março 26th, 2020 autor

Salário, férias, FGTS, banco de horas: o que mudou por causa do coronavírus

março 26th, 2020 autor

Feprop- federação dos propagandistas e vendedores de produtos farmacêuticos do estado do Rio de Janeiro – CNPJ 27.219.338/0001-95
Rua Prefeito Moreira Neto, 81 sala 301 Centro – Macaé RJ CEP 27.913-090 - Tel: 22 2772-4850 / 21 97422-0769 (WhatsApp)