Movimentos sociais e sindicais divulgam agenda de protestos contra governo Bolsonaro

 Movimentos sociais, entidades representativas da sociedade e centrais sindicais reafirmaram a unidade em defesa das instituições e do Estado Democrático de Direito. A união dos vários segmentos da sociedade é uma resposta a Jair Bolsonaro que compartilhou vídeos de apoio a ato contra o Supremo Tribunal Federal e o Congresso Nacional, instituições que formam os pilares da democracia e de liberdade.

Em reunião realizada na semana passada entre as entidades, foi reforçada a importância de um calendário de lutas. Até 1º de Maio, já estão definidas e em organização três datas de manifestações nas ruas, em todo o país: 8, 14 e 18 de março.

Para Ivone Silva, presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo Osasco e região, as manifestações ganham ainda mais importância após os ataques de Bolsonaro contra a democracia.

“O 8 de março tem que ser histórico, por conta dessas agressões do governo e o feminicídio tem aumentado no país. No dia 18, vamos defender as empresas públicas e a soberania nacional, mas também será um ato em defesa da democracia. Não é possível manter direitos num país que beira a ditadura”, explica Ivone, em entrevista ao repórter Cosmo Silva, da Rádio Brasil Atual.

Representante da Frente Povo Sem Medo, Josué Rocha, que também é da coordenação do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, o MTST, destaca que depois de uma declaração vinda do chefe da Nação desrespeitando instituições democráticas, os movimentos têm que dar uma resposta à altura, nas ruas.

“É importante responder outro grave ataque à democracia. No momento em que presente compartilha conteúdos que não respeitam as instituições democráticas, precisamos se unir entre movimentos sociais, sindicatos e frentes populares para dar uma resposta. Esse mês é marcado por mobilizações, mas a nossa resposta precisa ser ainda mais contundente”, acrescenta Josué.

Raimundo Bonfim, da Frente Brasil Popular, pondera que críticas são toleráveis, diferente de se pregar o fechamento das instituições. O dirigente, que também é coordenador da Central de Movimentos Populares, afirma que convocar ato contra o Supremo Tribunal Federal e o Congresso é crime de responsabilidade.

“Críticas ao Congresso Nacional todos temos, mas convocar um ato para defender o fechamento dos outros poderes é um crime. Não há outra alternativa que não seja tomar as ruas na defesa dos nossos direitos e também pela democracia”, defende Bonfim.

A presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo ainda chama atenção para os baixos índices da economia e o nível alarmante do desemprego no país. Ivone Silva diz que a incompetência do atual presidente, que não consegue criar mecanismos para melhorar a vida da população, se reflete nas propostas antidemocráticas. “Saiu a pesquisa de renda per capita e diminuiu muito. Há uma deterioração da economia e do Estado, que não cuida mais dos seus cidadãos, sem oferecer trabalho, saúde e educação.”

Os movimentos avaliam que os ataques às instituições põem em risco a estabilidade social do país e que, por trás dessa ofensiva inconstitucional do presidente, está a intenção do governo de prosseguir com a sua agenda de desmonte dos direitos da classe trabalhadora e do Estado.

 

Fonte: Rede Brasil Atual

Palavra do Presidente

A Feprop foi constituída como resultado de uma pauta de compromissos assumidos no 1º congresso Nacional dos sindicatos dos Propagandistas e Vendedores de Produtos Farmacêuticos ocorrido em Junho de 2016, na ocasião, além da constituição de nossa Federação foi pont...

ler mais..

Sindicatos da CUT criam rede de solidariedade para ajudar no combate ao coronavírus

março 31st, 2020 autor

Coronavírus: como requerer os auxílios do governo que já estão em vigor

março 31st, 2020 autor

Centrais sindicais se unem para garantir saúde, emprego e salário aos trabalhadores

março 30th, 2020 autor

Contrato suspenso durante coronavírus terá porcentual de seguro-desemprego

março 30th, 2020 autor

Feprop- federação dos propagandistas e vendedores de produtos farmacêuticos do estado do Rio de Janeiro – CNPJ 27.219.338/0001-95
Rua Prefeito Moreira Neto, 81 sala 301 Centro – Macaé RJ CEP 27.913-090 - Tel: 22 2772-4850 / 21 97422-0769 (WhatsApp)