Mulheres ganharam 22% menos do que os homens em 2019, aponta Dieese

Enquanto os homens ganharam, em média, R$ 2.495, no último trimestre de 2019, as mulheres receberam R$ 1.958, rendimento 22% menor, segundo o Dieese. As análises são com base em dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do IBGE, e inclui o trabalho formal e também informal.

 

Entre os trabalhadores com ensino superior, a diferença é ainda maior, chegando a 38%. Eles tiveram salário médio de R$ 6.292, e elas, R$ 3.876. No segmento de diretores e gerentes de empresas, a diferença foi de 29%. Elas ocuparam 40% desses postos, recebendo R$ 29 a hora trabalhada, enquanto eles ganharam R$ 40 em média.

 

A técnica do Dieese Camila Ikuta explica que uma das intenções do levantamento era demonstrar a discrepância salarial entre gêneros, inclusive em situações equivalentes. “Mesmo quando a mulher está no mesmo patamar, seja em relação ao nível de escolaridade, seja no tipo de cargo, ainda assim existem diferenças. É importante pontuar que, na média, a mulher tem mais anos de estudo do que o homem”.

 

Além das questões estruturais, como o machismo, ela aponta que a diferença salarial no nível superior se dá também porque as mulheres acabam optando, ou sendo mais facilmente acolhidas, em setores como educação e serviços, que têm menores remunerações.

 

Por Região

As maiores desigualdades salariais foram registradas nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, com os estados do Mato Grosso (30%), Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul (os três com 28%) na liderança. As menores estão nas região Norte e Nordeste – Amazonas (5%), Amapá (6%), Alagoas (6%) e Roraima (7%).

 

“O que acontece é que nas regiões mais desenvolvidas, a amplitude salarial é maior. São regiões que registram altos salários, por isso a discrepância é maior, enquanto nas outras regiões o rendimento médio é baixo”, já que os maiores salários são deles, detalha Camila.

 

Dupla e tripla jornada

Segundo o levantamento do Dieese, as mulheres gastaram 95% mais tempo do que os homens nos afazeres domésticos. Enquanto elas dedicaram em média 21h18 do seu tempo aos cuidados com a casa, os homens dedicaram apenas 10h54 minutos às mesmas obrigações.

 

A falta de creches é outro agravante das disparidades. Das mulheres que tinham filhos – até 3 anos – em creches, 67% conseguiam trabalho. Daquelas que não tinham nenhum filho em creche, somente 41% estavam trabalhando.

 

Desemprego e aposentadoria

Os dados também apontam que as mulheres sofrem mais com o desemprego. Enquanto a taxa de desocupação entre eles era de 9,2%, entre elas esse número chegou a 13,1%. Em relação aos responsáveis pelo domicílio, o desemprego afetava apenas 5,1% dos “pais de família”, enquanto as “mães de família” sem ocupação chegavam a 10,2%. A pesquisa mostra que 37% das mulheres desempregadas estavam há mais de um ano na busca por uma recolocação, enquanto 27% dos homens estavam na mesma situação.

 

“São variáveis que influenciam umas nas outras. Se a mulher gasta o dobro do tempo nos afazeres domésticos, se quando tem filhos, encontra dificuldade em ser atendida por creches, a mulher acaba passando por muitos momentos em que é obrigada a se ausentar do mercado de trabalho, o que acaba rebatendo no desemprego”, afirmou a técnica do Dieese.

 

Consequência das disparidades salariais, as mulheres também receberam valores menores nas aposentadorias. Enquanto o rendimento dos aposentados era de R$ 2.051, as aposentadas recebiam R$ 1.707, média 17% menor.

 

Fonte: Sul 21

Palavra do Presidente

A Feprop foi constituída como resultado de uma pauta de compromissos assumidos no 1º congresso Nacional dos sindicatos dos Propagandistas e Vendedores de Produtos Farmacêuticos ocorrido em Junho de 2016, na ocasião, além da constituição de nossa Federação foi pont...

ler mais..

Governo quer fim da MP das regras trabalhistas antes de aprovação pelo Congresso

julho 14th, 2020 autor

Fim da desoneração da folha pode elevar desemprego, apontam entidades empresariais

julho 13th, 2020 autor

MP de auxílio à folha de pagamento é alvo de críticas

julho 10th, 2020 autor

Após ato unificado, centrais levam pauta de reivindicações ao ministério da Economia

julho 10th, 2020 autor

Feprop- federação dos propagandistas e vendedores de produtos farmacêuticos do estado do Rio de Janeiro – CNPJ 27.219.338/0001-95
Rua Prefeito Moreira Neto, 81 sala 301 Centro – Macaé RJ CEP 27.913-090 - Tel: 22 2772-4850 / 21 97422-0769 (WhatsApp)