Diminuir salário sem passar por sindicato é ilegal, alertam especialistas

Com o objetivo de evitar demissões durante a crise do coronavírus, o governo vai autorizar que empresas entrem em acordo diretamente com funcionários para reduzir a jornada e o salário em até 50%. Porém, especialistas afirmam que a medida pode ser considerada ilegal e derrubada na Justiça, porque exclui os sindicatos da negociação.

O governo promete apresentar em breve uma medida provisória (MP) sobre o tema, que passaria a valer imediatamente. Se aprovada no Congresso em até 120 dias, a MP vira lei. Mas a Constituição diz expressamente que salários só podem ser reduzidos por meio de acordo ou convenção coletiva  — que são negociados com entidades sindicais. Essa regra só poderia ser alterada por emenda à Constituição (EC), que tem um processo mais demorado.

A juíza Noemia Porto, presidente da Anamatra (Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho), afirma que a iniciativa é precipitada. “Redução de salários por medida provisória, sem negociação coletiva, não tem respaldo constitucional.”

Segundo presidente da Força Sindical, Miguel Torres, a central de sindicatos já encaminhou sugestões ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM/RJ), e tem procurado parlamentares para que proponham alterações na MP.

Uso do seguro-desemprego também é questionado

Em coletiva nesta quinta-feira (19), a equipe econômica anunciou que o empregado que ganha até dois salários mínimos (R$ 2.090) e for afetado pela redução receberá entre R$ 261,25 e R$ 381,22 por três meses. Esse valor será descontado do seguro-desemprego a que tem direito se demitido sem justa causa.

Aldacy Coutinho, doutora em direito do trabalho e professora aposentada da UFPR, diz que o governo não pode usar o benefício para esse fim. “Está na Constituição que o seguro-desemprego é um direito em caso de desemprego involuntário, o que não é o caso.”

“Outra ilegalidade é o tratamento desigual entre trabalhadores, já que a complementação via seguro-desemprego não valeria para todos os empregados”, afirma.

 

Crise justifica a medida, diz advogado

Na opinião de Paulo João, professor da FGV Direito SP, a redução de salário sem acordo sindical pode até ser questionada na Justiça, mas os tribunais devem aprovar a mudança. “O apego ao legalismo é improdutivo, estéril nesse momento em que a gente vive.”

O advogado afirma que o colapso econômico causado pela pandemia é algo sem precedentes. Por isso, existe motivação legítima para o governo adotar medidas extremas com o objetivo de preservar empresas e empregos.

Na coletiva desta quinta-feira, o secretário Especial da Previdência e Trabalho, Bruno Bianco, disse que a medida proposta pelo governo é um estímulo para que empresas não demitam funcionários. Segundo ele, outra opção seria proibir demissões, mas isso levaria empresas à falência.

 

Fonte: Uol Economia

Palavra do Presidente

A Feprop foi constituída como resultado de uma pauta de compromissos assumidos no 1º congresso Nacional dos sindicatos dos Propagandistas e Vendedores de Produtos Farmacêuticos ocorrido em Junho de 2016, na ocasião, além da constituição de nossa Federação foi pont...

ler mais..

Sindicatos da CUT criam rede de solidariedade para ajudar no combate ao coronavírus

março 31st, 2020 autor

Coronavírus: como requerer os auxílios do governo que já estão em vigor

março 31st, 2020 autor

Centrais sindicais se unem para garantir saúde, emprego e salário aos trabalhadores

março 30th, 2020 autor

Contrato suspenso durante coronavírus terá porcentual de seguro-desemprego

março 30th, 2020 autor

Feprop- federação dos propagandistas e vendedores de produtos farmacêuticos do estado do Rio de Janeiro – CNPJ 27.219.338/0001-95
Rua Prefeito Moreira Neto, 81 sala 301 Centro – Macaé RJ CEP 27.913-090 - Tel: 22 2772-4850 / 21 97422-0769 (WhatsApp)