FEPROP - DESEMPREGO

Pico da crise do coronavírus deve ter 2,5 milhões a mais de desempregados no país, prevê Santander

O Santander prevê que o desemprego no Brasil vai aumentar em 2,5 milhões de pessoas no pico da crise econômica provocada pelo coronavírus. Em revisão de cenário divulgada nesta segunda-feira (6), o banco avalia que o pior momento do mercado de trabalho ocorrerá ao fim do segundo trimestre.

 

Com a expectativa de melhora da atividade econômica a partir do terceiro trimestre, o mercado de trabalho, segundo o banco, deve ter alguma resposta positiva, mas o contingente de desocupados ainda vai encerrar este ano com acréscimo de 1,5 milhão de trabalhadores. Com isso, a taxa média de desemprego deve ficar em 12,3%, acima da observada 2019, quando foi de 11,9%.

 

Em janeiro, na última leitura do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil tinha 11,9 milhões de desempregados.

 

“Vamos sair com a economia machucada desse processo inevitável para salvar o maior número de vidas”, disse a economista-chefe do banco Santander, Ana Paula Vescovi. “É importante que o Brasil consiga manter os fundamentos de longo prazo para que se recupere depois de passada essa crise.”

 

No cenário-base do Santander, o Produto Interno Bruto (PIB) deve recuar 2,2% neste ano – a previsão anterior era de alta de 1%. No entanto, há um risco de que o desempenho possa ser ainda pior. Para esse cenário-base se concretizar, o isolamento social tem de ser afrouxado ao fim deste mês

 

Se o isolamento social tiver de ser ampliado para ajudar a conter o número de infectados pela doença e só começar a ser relaxado a partir da metade de junho, o PIB pode despencar 6%.

 

“O nosso cenário-base é de uma recuperação mais gradual, com a economia chegando ao fim de 2021 praticamente no nível pré-crise, só 0,4% abaixo”, afirmou Ana Paula.

 

Inflação e juros em queda

Levando-se em conta o cenário-base, o banco prevê que a inflação permaneça bastante baixa neste ano, abrindo espaço para o Banco Central promover novos cortes na taxa de juros.

 

Segundo o Santander, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deve encerrar o ano a 2,2%, abaixo dos 3% previstos anteriormente. “O cenário de inflação deve permanecer comportado, vemos esse choque do coronavírus como deflacionário”, disse Ana Paula.

 

Diante desse quadro inflacionário, o Comitê de Política Monetária (Copom) deve reduzir a Selic para 3% – atualmente está em 3,75%. Um corte 0,5 ponto percentual deve ocorrer na reunião de maio e, em junho, haverá uma nova redução de 0,25 ponto, de acordo com o banco.

 

Rombo das contas públicas

As medidas de estímulo fiscal anunciadas pelo governo para ajudar a mitigar os efeitos da crise e a queda na arrecadação provocada pela desaceleração da economia devem levar o Brasil a encerrar o ano com um déficit primário do setor público de R$ 452,5 bilhões, o equivalente a 6,2% do PIB, segundo banco.

 

“No nosso cenário-base, o país sai da crise com uma sinalização de solvência da dívida pública e a convergência para patamares menores ainda que gradualmente”, diz Ana Paula.

 

Em 2021, por exemplo, o Santander avalia que o déficit primário será bem menor, de R$ 148,3 bilhões ou 1,9% do PIB.

 

Fonte: G1

Palavra do Presidente

A Feprop foi constituída como resultado de uma pauta de compromissos assumidos no 1º congresso Nacional dos sindicatos dos Propagandistas e Vendedores de Produtos Farmacêuticos ocorrido em Junho de 2016, na ocasião, além da constituição de nossa Federação foi pont...

ler mais..

Bolsonaro sanciona MP que criou programa de manutenção do emprego

julho 8th, 2020 autor

Participe do ato das Centrais amanhã sem sair de casa

julho 7th, 2020 autor

Com a pandemia, 7 milhões de mulheres deixaram o mercado de trabalho

julho 7th, 2020 autor

Rodrigo Maia defende importância de sindicatos

julho 6th, 2020 autor

Feprop- federação dos propagandistas e vendedores de produtos farmacêuticos do estado do Rio de Janeiro – CNPJ 27.219.338/0001-95
Rua Prefeito Moreira Neto, 81 sala 301 Centro – Macaé RJ CEP 27.913-090 - Tel: 22 2772-4850 / 21 97422-0769 (WhatsApp)