Advogados avaliam decisão do STF sobre redução salarial sem sindicatos: “Segurança jurídica”

Na última sexta-feira, o plenário do STF decidiu por maioria que não é necessária a anuência dos sindicatos para validar acordos individuais que preveem a redução de salários. Tais acordos estão previstos na MP 936/20, editada para combater a crise do coronavírus.

 

Advogados da área trabalhista avaliam a decisão do Supremo. Confira.

 

Para o especialista em Direito do trabalho Flavio Aldred Ramacciotti (Chediak, Lopes da Costa, Cristofaro, Simões Advogados) a decisão do STF conferiu segurança jurídica:

 

“Com essa decisão, voltamos a ter segurança jurídica para fazer acordos individuais de redução de jornada de trabalho e salários e de suspensão de contratos. A liminar determinava que o Sindicato fosse chamado, o que poderia resultar na mudança dos termos acordados ou na nulidade do acordo. O STF hoje manteve a validade da redação original da MP 936. Entendo que isso é benéfico para todos, empregadores e empregados, porque mantém válida e legítima (agora mais legítima ainda) a possibilidade de se lutar contra a pandemia, evitando-se demissões.”

 

O professor de Direito do Trabalho da USP Otavio Pinto e Silva (SiqueiraCastro) lembrou posicionamento do ministro Marco Aurélio, o qual afirmou que ainda é necessária a manifestação do Congresso Nacional sobre a matéria:

 

“A maioria dos ministros do STF entendeu que, em razão do momento excepcional causado pela pandemia do COVID-19, é necessário manter a regra da MP 936 que prevê a possibilidade de acordos individuais para suspensão do contrato de trabalho e redução de salário e jornada, a despeito da previsão constitucional do direito dos trabalhadores urbanos e rurais à “irredutibilidade do salário, salvo o disposto em convenção ou acordo coletivo” (art. 7o, inc. VI, CF). Vingou a tese de um “Direito Constitucional de Crise”, como afirmou literalmente o Ministro Gilmar Mendes. Também é de se registrar a observação do Ministro Marco Aurélio de que em sede de Medida Provisória quem primeiro precisa se manifestar é o Congresso Nacional, e não o STF.”

 

A advogada especializada em Direito Trabalhista, Érika de Mello (Pires & Gonçalves – Advogados Associados) acredita que o resultado do julgamento garante o mínimo de segurança jurídica que se esperava nesse momento de crise econômica e social.

 

“Resultado em sentido contrário sacramentaria uma verdadeira catástrofe social, pois, diante da burocracia e insegurança, muitas empresas já estavam optando por demissões em massa para não ter que enfrentar o desgaste e os riscos da utilização das alternativas disponíveis. Com ponderações muito relevantes, a maioria dos Ministros fundamentou a validade do acordo individual nesse período, pela necessidade de flexibilizarmos mecanismos e procedimentos temporariamente, para assegurar outras garantias constitucionais não menos relevantes no momento de exceção que estamos enfrentando, inclusive os direitos humanos, tão tutelados nas relações de trabalho. A mesma Constituição que baseou a discussão da validade do acordo individual prevê, em seu art. 170, que ‘A ordem econômica, fundada na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa, tem por fim assegurar a todos existência digna, conforme os ditames da justiça social.’”

 

Para Bruna Esteves Sá (Esteves Sá Advocacia e Assessoria Jurídica) a decisão foi acertada:

 

“Decisão foi acertada uma vez que parte dos sindicatos brasileiros ainda não tem maturidade para desempenhar seu papel – tão relevante – com responsabilidade. Ao decidir de outra forma, certamente as empresas optariam por encontrar outras alternativas, como a dispensa de trabalhadores.”

 

Julgamento

 

A decisão dos ministros do STF foi por maioria, em um placar de 7×3. Confira como cada ministro votou.

 

Fonte: Migalhas

Palavra do Presidente

A Feprop foi constituída como resultado de uma pauta de compromissos assumidos no 1º congresso Nacional dos sindicatos dos Propagandistas e Vendedores de Produtos Farmacêuticos ocorrido em Junho de 2016, na ocasião, além da constituição de nossa Federação foi pont...

ler mais..

“Acordos chegam ao fim e lei que prorroga corte de salário aguarda sanção há uma semana”

julho 3rd, 2020 autor

Projeto permite recontratação de empregados demitidos durante calamidade pública

julho 2nd, 2020 autor

Pela primeira vez, Brasil tem mais desempregados do que empregados

julho 2nd, 2020 autor
FEPROP - CONTRATAÇÃO

Desemprego sobe para 12,9% em maio e país tem tombo recorde no número de ocupados

julho 1st, 2020 autor

Feprop- federação dos propagandistas e vendedores de produtos farmacêuticos do estado do Rio de Janeiro – CNPJ 27.219.338/0001-95
Rua Prefeito Moreira Neto, 81 sala 301 Centro – Macaé RJ CEP 27.913-090 - Tel: 22 2772-4850 / 21 97422-0769 (WhatsApp)