MP 936: Câmara quer aval de sindicato em novos contratos de corte de salário e maior complemento do governo

Os deputados já discutem alterar o texto da medida provisória (MP) 936, que permite a redução temporária da jornada e do salário de trabalhadores, e tornar obrigatória a participação dos sindicatos nos acordos.

 

 

O texto enviado pelo governo permite que empregadores negociem diretamente com os trabalhadores. A MP recebeu 971 emendas de parlamentares para modificar a proposta. Ela já está em vigor, mas precisa ser aprovada pelo Congresso para não perder a validade.

 

MP 936:   Entenda quando o corte de salário pode ser feito por negociação individual

 

Segundo o deputado Paulo Pereira da Silva, Paulinho (SD-SP), o aval dos sindicatos somente seria exigido nos novos acordos. Os já firmados entre as partes e oficializados ao governo até a data das aprovação da MP não seriam atingidos porque já foram considerados legais pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

 

Editada em 1º de abril, a MP já permitiu a realização de 3,5 milhões de acordos, segundo a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho.

 

MP 936:  No Brasil, GM, Nissan e Magazine Luiza já recorrem a acordos de redução de salário e de jornada

 

– Estamos tentando fechar um acordo para que os sindicatos voltem a negociar – disse Paulinho, acrescentando que essa deve ser a principal mudança no texto encaminhado pelo governo.

 

A MP autoriza as empresas a reduzirem jornada e salário por até três meses e suspenderem contratos de trabalho, por até dois meses.  Esses mecanismos podem ser adotados até 31 de dezembro, quando termina o período de calamidade pública.

 

 

Em contrapartida, o governo vai usar recursos do seguro-desemprego para complementar a remuneração dos trabalhadores. O valor a ser pago depende do corte de salário proposto pela empresa.

 

A MP permite três faixas de corte: 25%, 50% e 70% – percentuais diferentes só podem ser aplicados em acordos coletivos. Trabalhadores que ganham mais do que R$ 3.135 e menos do que R$ 12.202 só podem ter redução de 25% por acordo individual. Qualquer outra negociação também precisa ser coletiva.

 

Se a redução for de 25%, por exemplo, o governo complementará a renda do trabalhador com 25% do seguro-desemprego, cujo teto é de R$ 1.813, prevê a MP 936. É isso que os deputados querem mudar.

 

Segundo Paulinho, para evitar que a classe média seja prejudicada, os parlamentares querem definir um valor, entre R$ 4 mil e R$ 6 mil, sobre o qual o governo aplicaria o percentual a ser pago aos trabalhadores.

 

Jorge Paulo Lemann:‘O que eu gosto mais é que toda crise é cheia de oportunidades’

 

O deputado adiantou ainda que a Câmara não deve incluir na proposta a possibilidade de prorrogação dos dois mecanismos (redução de jornada e salário), mas que avalia incluir a previsão de que o governo, se quiser, possa prorrogá-los.

 

 

Os deputados também defendem não ampliar o período de estabilidade no emprego para os trabalahdores que fizerem os acordos.

 

Pela MP, as empresas precisam manter os empregos por igual período de vigência dos acordos. Se a redução de salário for de três meses (máximo permitido), por exemplo, o trabalhador tem estabilidade de seis meses, incluindo o período em que teve a renda reduzida.

 

O deputado Orlando Silva (PcdoB-SP) deverá ser designado relator da matéria e já está trabalhando no parecer. Ele está participando das reuniões virtuais que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) está fazendo com as bancadas para discutir a proposta e amarrar o relatório.

 

As MPs  relacionadas à ações para conter os efeitos da Covid-19 na economia estão sendo apreciadas em um rito especial e mais curto, sem passar por uma comissão mista do Congresso.

 

O relatório é apresentado diretamente no plenário da Câmara e depois do Senado. Há um relator na Câmara e outro no Senado. A expectativa é votar a matéria em sessão remota do plenário da Câmara na próxima terça-feira.

 

 

Fonte: O Globo

Palavra do Presidente

A Feprop foi constituída como resultado de uma pauta de compromissos assumidos no 1º congresso Nacional dos sindicatos dos Propagandistas e Vendedores de Produtos Farmacêuticos ocorrido em Junho de 2016, na ocasião, além da constituição de nossa Federação foi pont...

ler mais..

Bolsonaro sanciona MP que criou programa de manutenção do emprego

julho 8th, 2020 autor

Participe do ato das Centrais amanhã sem sair de casa

julho 7th, 2020 autor

Com a pandemia, 7 milhões de mulheres deixaram o mercado de trabalho

julho 7th, 2020 autor

Rodrigo Maia defende importância de sindicatos

julho 6th, 2020 autor

Feprop- federação dos propagandistas e vendedores de produtos farmacêuticos do estado do Rio de Janeiro – CNPJ 27.219.338/0001-95
Rua Prefeito Moreira Neto, 81 sala 301 Centro – Macaé RJ CEP 27.913-090 - Tel: 22 2772-4850 / 21 97422-0769 (WhatsApp)