Relator quer permitir que acordo de redução salarial possa ser prorrogado

O programa que permite redução de jornada e de salários e suspensão de contratos de trabalhadores da iniciativa privada poderá ser prorrogado pelo Congresso.

 

O relator da proposta, deputado Orlando Silva (PCdB-SP), estuda um mecanismo para que a postergação da medida possa ser, inclusive, para alguns setores específicos –os mais afetados pela crise causada pelo novo coronavírus.

 

Ele também avalia elevar o valor pago pelo governo aos trabalhadores que tiverem redução salarial ou contrato suspenso.

 

Esse benefício, que é uma compensação pela queda na renda, tem hoje o teto de R$ 1.813,03. O relator avalia ampliar esse limite para três salários mínimos (R$ 3.135).

 

As ideias em análise pelo deputado ainda serão discutidas com o time do ministro Paulo Guedes (Economia) e com líderes da Câmara.

 

A avaliação nos bastidores é que Silva, parlamentar de oposição, vai apresentar sugestões mais vantajosas ao trabalhador e de alto custo para os cofres públicos, numa estratégia para negociar um meio termo.

 

Além de permitir a prorrogação dos acordos trabalhistas e ampliar o auxílio pago pelo governo, o relator quer expandir a participação dos sindicatos nas negociações de corte salarial, elevar o benefício para trabalhadores intermitentes e reduzir exigências para seguro-desemprego durante a pandemia.

 

O governo já estuda a proposta de que acordos com redução salarial ou suspensão de contrato possam ser estendidos, mas a equipe econômica ainda não tem posição sobre a ideia de que isso tenha validade apenas para alguns setores.

 

Com o objetivo de evitar demissões em massa, Guedes lançou um programa para que patrões possam reduzir a jornada de funcionários, com corte proporcional no salário, que pode ser de 25%, 50% ou 70%, por até três meses. É permitida também a suspensão de contratos por até dois meses.

 

Silva avalia que, em algumas atividades econômicas, a crise poderá se estender e, por isso, quer que o governo possa alongar esses prazos, sem precisar passar por nova votação no Congresso.

 

Caberia ao Executivo analisar a demanda pela postergação da medida por meio de um dispositivo sugerido pelo relator.

 

O trabalhador afetado por corte de jornada ou suspensão de contrato recebe um auxílio do governo para amenizar a queda na renda da família.

 

Esse benefício, hoje, é calculado com base no valor do seguro-desemprego ao qual o trabalhador teria direito se fosse demitido. O teto, portanto, é de R$ 1.813,03.

 

Por exemplo, no caso de redução de jornada pela metade, o patrão paga metade do salário e o governo paga 50% do valor do seguro-desemprego que o trabalhador teria direito.

 

O relator defende que a base de cálculo da parcela do governo deva ser elevada. Ele estuda um patamar de três salários mínimos. Assim, quem tem salário de R$ 3.135 não teria perda de renda na pandemia.

 

A equipe de Guedes é contra essa ampliação. Técnicos citam que atualmente o auxílio médio pago pelo governo é de aproximadamente R$ 750, enquanto a ajuda emergencial a trabalhadores informais é de R$ 600.

 

Portanto, a proposta do deputado, segundo integrantes do Ministério da Economia, beneficiaria ainda mais trabalhadores com carteira assinada e com os direitos trabalhistas garantidos.

 

Outra sugestão do relator é que os sindicatos tenham mais participação nessas negociações.

 

Hoje, o patrão e o empregado podem entrar num acordo de redução salarial, por exemplo, sem passar por um sindicato quando a remuneração for de até três salários mínimos.

 

Silva defende que essa negociação direta seja quando o funcionário recebe até 1,5 salário mínimo (R$ 1.567,50).

 

Pelas regras atuais, trabalhadores que ganham acima do teto de três salários mínimos só podem fazer acordo de corte de jornada e salário com participação dos sindicatos. No formato em estudo pelo relator, mais trabalhadores estariam nesse grupo.

 

Segundo o deputado, os novos critérios valeriam apenas após a medida provisória que cria o programa trabalhista ser transformada em lei. Os acordos já assinados, portanto, não seriam alterados.

Para o deputado, os trabalhadores intermitentes, que hoje recebem R$ 600 em caso de suspensão de contrato, deveriam ter um auxílio de um salário mínimo (R$ 1.045).

 

Para ele, apesar das medidas de socorro a empresas, alguns patrões vão acabar demitindo. Por isso, ele sustenta que, durante a pandemia, não será necessário cumprir a carência mínima atual.

 

 

 

Fonte: Folha de S. Paulo

Palavra do Presidente

A Feprop foi constituída como resultado de uma pauta de compromissos assumidos no 1º congresso Nacional dos sindicatos dos Propagandistas e Vendedores de Produtos Farmacêuticos ocorrido em Junho de 2016, na ocasião, além da constituição de nossa Federação foi pont...

ler mais..

Pesquisa vai monitorar Covid-19 entre trabalhadores de várias categorias

setembro 30th, 2020 autor

Nobel de Economia Joseph Stiglitz: sindicatos são fundamentais na pandemia e na sociedade pós-covid

setembro 30th, 2020 autor

Reforma Trabalhista: TRT8 declara violação de princípios no sistema de tarifação

setembro 25th, 2020 autor

Força Sindical intensifica luta pela extensão do Auxilio Emergencial de R$ 600

setembro 25th, 2020 autor

Feprop- federação dos propagandistas e vendedores de produtos farmacêuticos do estado do Rio de Janeiro – CNPJ 27.219.338/0001-95
Rua Prefeito Moreira Neto, 81 sala 301 Centro – Macaé RJ CEP 27.913-090 - Tel: 22 2772-4850 / 21 97422-0769 (WhatsApp)