FEPROP - DESEMPREGO

Pandemia destruiu um recorde de 4,9 milhões de postos de trabalho até abril

A pandemia do novo coronavírus contribuiu para que 4,9 milhões de posto de trabalho fossem perdidos no Brasil no trimestre encerrado em abril, um recorde na série histórica, informou nesta quinta-feira (28) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Desse total, 3,7 milhões postos de trabalho informais foram perdidos.

A população ocupada teve uma queda recorde de 5,2% na comparação com o trimestre anterior. Hoje, a população ocupada reúne 89,2 milhões de brasileiros, contra 94,2 milhões em janeiro.

A taxa de desemprego subiu para 12,6% no trimestre encerrado em abril, primeiro mês completo com medidas de isolamento social impostas em todo o país como forma de conter o avanço da Covid-19. O desemprego foi menor que o esperado pelo mercado, que projetava taxa de 13,4%. No trimestre anterior, terminado em janeiro, o desemprego no Brasil havia fechado em 11,2%.

A primeira morte conhecida de Covid-19 no país ocorreu no dia 17 de março. A partir daí, com o avanço da doença, o país promoveu o fechamento de bares, restaurantes e comércio como forma de conter o avanço da doença. Em abril, os efeitos econômicos foram sentidos com mais intensidade, já que as medidas restritivas duraram do começo ao fim do mês.

O comércio foi o setor que mais sentiu a queda na população ocupada, com 1,2 milhão de postos de trabalho perdidos. Em seguida, destacam-se o corte de 885 mil vagas na construção e de 727 mil postos no segmento de serviços domésticos. A dispensa de trabalhadores domésticos foi um recode desde o início da série histórica, em 2012.

Também ocorreu no período uma retração sem precedentes na massa de rendimento real do brasileiro, da ordem de 3,3%. De acordo com o IBGE, isso representa R$ 7,3 bilhões a menos.

Por outro lado, o rendimento médio real das pessoas ocupadas cresceu, alcançando o maior patamar da série histórica, R$ 2.425. Essa alta, no entanto, reflete um lado perverso da crise: permanem empregados os trabalhadores com salários mais altos. Em contrapartida, ocorreu o fechaemnto de um número maior de vagas que atende informais, o grupo que ganha menos.

 

“Os trabalhadores com salários maiores ficaram no mercado e, na atual situação, há um volume menor de trabalhadores informais. Sendo assim, o rendimento médio é calculado levando em consideração o ganho de quem permance no mercado de trabalho”, disse Adriana Beringuy, analista da pesquisa do IBGE.

Com a pandemia em curso, o país viveu uma espécie de apagão estatístico de emprego. Os dados do Caged (sobre empregos com carteira assinada), divulgados mensalmente, só foram anunciados nesta quarta-feira (27). Os números oficiais sobre emprego com carteira assinada mostraram que houve o fechamento de 1,1 milhão de vagas formais entre março e abril.

 

Fonte: Folha de S.Paulo

Palavra do Presidente

A Feprop foi constituída como resultado de uma pauta de compromissos assumidos no 1º congresso Nacional dos sindicatos dos Propagandistas e Vendedores de Produtos Farmacêuticos ocorrido em Junho de 2016, na ocasião, além da constituição de nossa Federação foi pont...

ler mais..

Bolsonaro sanciona MP que criou programa de manutenção do emprego

julho 8th, 2020 autor

Participe do ato das Centrais amanhã sem sair de casa

julho 7th, 2020 autor

Com a pandemia, 7 milhões de mulheres deixaram o mercado de trabalho

julho 7th, 2020 autor

Rodrigo Maia defende importância de sindicatos

julho 6th, 2020 autor

Feprop- federação dos propagandistas e vendedores de produtos farmacêuticos do estado do Rio de Janeiro – CNPJ 27.219.338/0001-95
Rua Prefeito Moreira Neto, 81 sala 301 Centro – Macaé RJ CEP 27.913-090 - Tel: 22 2772-4850 / 21 97422-0769 (WhatsApp)