Senadores articulam aumentar poder de sindicatos para aprovar MP de corte de salários

Senadores articulam aumentar o poder dos sindicatos em troca da aprovação da MP (Medida Provisória) da redução de jornada, corte de salário e suspensão de contratos de trabalho.

A ideia dos congressistas é resgatar um dispositivo retirado na Câmara que dizia que demissões e quitações de rescisão de contrato de trabalho só teriam validade após acompanhamento do sindicato.

As negociações são conduzidas por entidades sindicais e coordenadas pelos senadores Otto Alencar (PSD-BA) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP). Eles pretendem pressionar o governo a aceitar alterações por meio de projetos de lei.

Desta forma, o Senado, que está prestes a votar a MP, garantiria a aprovação do atual texto sem alteração em relação ao que foi aprovado pelos deputados. Se o texto for alterado, a MP precisará voltar à Câmara.

Por outro lado, os senadores conseguiriam do governo Jair Bolsonaro a garantia de que o assunto será novamente colocados em votação. Se a mobilização avançar, os sindicatos passam a ser consultados em caso de demissão e quitação.

“Queremos e precisamos retomar o poder dos sindicatos”, disse Ricardo Patah, presidente da UGT (União Geral dos Trabalhadores). “O governo quer nos exterminar, mas o Senado, que tem tido um papel mais próximo da sociedade, está disposto a reverter e reforçar nosso poder”, afirmou o sindicalista.

Diante das negociações, que se acentuaram nesta quarta-feira (3), o relator da matéria, Vanderlan Cardoso (PSD-GO), pediu mais tempo para fechar o relatório.

O tema, que estava previsto para ser apreciado na sessão virtual desta quinta-feira (4), será votado na próxima terça-feira (9). Já há 988 emendas protocoladas.

O texto do relatório está sendo construído em conjunto com o líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (MDB-TO).

De acordo com ele, os projetos de lei já estão nos estudos do governo, que admite alterar os dispositivos que mudam a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho).

“Temos avanços legítimos para serem feitos. Nesse ponto, da questão trabalhista, têm dispositivos que podemos negociar”, disse o líder do governo.

Além da ampliação da força das entidades trabalhistas, outro tema alvo de discussões é o que diz respeito à correção das dívidas trabalhistas.

O governo quer retomar a atualização pela TR (Taxa Referencial) –a Câmara aprovou o IPCA-E, índice mais vantajoso para o trabalhador.

Até então, a atualização era feita pela TR, mas a maioria das decisões do TST (Tribunal Superior de Trabalho) e dos TRTs (Tribunais Regionais de Trabalho) tomava como base o IPCA-E, índice inflacionário, além de juro de 1% ao mês, segundo o autor da emenda aprovada na Câmara, deputado Christino Áureo (PP-RJ).

Pelo texto que saiu da Câmara, a correção será feita pelo IPCA-E mais a remuneração adicional da poupança, que é de 70% da Selic (hoje em 3% ao ano).

Neste aspecto, o próprio governo admite que poderá fazer mudanças, também por projeto de lei.

“Uma das questões que vamos conversar entre hoje [quinta-feira] e amanhã [sexta] é essa questão da correção [as dívidas trabalhistas]. Vamos analisar em conjunto com o relator”, afirmou Gomes.
Essas alterações são consideradas as mais polêmicas dentro do texto da MP.

Além de retirar poderes dos sindicatos e alterar o índice de correção de dívidas trabalhistas, os deputados inseriram na CLT um dispositivo que aumenta o valor da gratificação de função do bancário, incluindo na lei trecho que já era contemplado por convenção coletiva.

A intenção é que bancários possam continuar recebendo sete salários de gratificação de função, anualmente, sem qualquer alteração na jornada de trabalho, segundo a justificativa do destaque.

“Essa questão dos bancários vamos pedir para excluir, ou colocar por meio de projeto de lei porque interfere na jornada de trabalho”, disse Alencar.

Nesta quinta, o relator da matéria vai conversar com o ministro Paulo Guedes (Economia). Segundo a assessoria de Cardoso, ele está avaliando resgatar pontos da MP do Emprego Verde e Amarelo.

Na quarta-feira, ao pedir a retirada da MP da pauta da sessão desta quinta, o relator da medida solicitou ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) que o texto garanta segurança aos trabalhadores que tiveram suas jornadas de trabalho reduzidas em abril, quando a medida foi editada.

A medida, cujos primeiros 60 dias venceram em 31 de maio, foi prorrogada.

“A MP prevê suspensão de contratos por 60 dias, e esse prazo venceu em 31 de maio. E essas pessoas que tiveram seus contratos suspensos, como ficam?”, questionou o relator.

Segundo Alcolumbre, ao prorrogar a medida, esses trabalhadores estariam seguros em seus empregos por mais 60 dias.

O corte na jornada é acompanhado de uma diminuição proporcional de salário, que pode ser de 25%, 50% ou 70%, neste caso, por até três meses.

“A lei pode retroagir para beneficiar esses trabalhadores e, por isso, os contratos que foram suspensos foram beneficiados neste sentido”, afirmou o presidente da Casa.

O trabalhador afetado por corte de jornada ou suspensão de contrato recebe um auxílio do governo para amenizar a queda na renda da família.

De acordo com a MP, as negociações podem ser feitas a trabalhadores com piso salarial de R$ 2.090 para aqueles que trabalharem em empresas com receita superior a R$ 4,8 milhões. Se o faturamento da companhia for menor que isso, o piso é mantido em R$ 3.135.

O texto permite, no entanto, acordo individual para trabalhadores que ganham entre o piso (R$ 2.090 ou R$ 3.135) e R$ 12,2 mil se a redução proporcional de jornada e salário for de 25%.

De acordo com a MP, o salário-maternidade deverá considerar a remuneração integral.

A manutenção do emprego prevista pela MP contaria a partir do término do período de estabilidade da mãe previsto no ato das disposições constitucionais transitórias.

O projeto prevê um auxílio de R$ 600 pago durante três meses a trabalhadores intermitentes.​

 

 

Fonte: Folha de S.Paulo

Palavra do Presidente

A Feprop foi constituída como resultado de uma pauta de compromissos assumidos no 1º congresso Nacional dos sindicatos dos Propagandistas e Vendedores de Produtos Farmacêuticos ocorrido em Junho de 2016, na ocasião, além da constituição de nossa Federação foi pont...

ler mais..

“Acordos chegam ao fim e lei que prorroga corte de salário aguarda sanção há uma semana”

julho 3rd, 2020 autor

Projeto permite recontratação de empregados demitidos durante calamidade pública

julho 2nd, 2020 autor

Pela primeira vez, Brasil tem mais desempregados do que empregados

julho 2nd, 2020 autor
FEPROP - CONTRATAÇÃO

Desemprego sobe para 12,9% em maio e país tem tombo recorde no número de ocupados

julho 1st, 2020 autor

Feprop- federação dos propagandistas e vendedores de produtos farmacêuticos do estado do Rio de Janeiro – CNPJ 27.219.338/0001-95
Rua Prefeito Moreira Neto, 81 sala 301 Centro – Macaé RJ CEP 27.913-090 - Tel: 22 2772-4850 / 21 97422-0769 (WhatsApp)