Trabalhadores fazem ato contra Reforma da Previdência em frente ao Buriti

Representantes de sindicatos e de trabalhadores do Distrito Federal se reúniram na manhã desta quinta-feira (25/6) para realizar ato simbólico, na frente do Palácio do Buriti. A iniciativa teve como objetivo contestar um projeto de lei complementar que fixa em 14% a contribuição previdenciária dos servidores ativos, inativos e pensionistas. A previsão é de que a medida seja votada na Câmara Legislativa do Distrito Federal, no próximo dia 30.

“Embora o PLC seja consequência da Reforma da Previdência que já aconteceu, os estados e o Distrito Federal tem que recepcionar isso. Então estamos tentando mostrar para o governador Ibaneis que, ao tomar a decisão de implementar aqui (o projeto), isso vai causar uma redução de salário”, explicou a diretora do Sindicato dos Professores (Sinpro/DF) Rosilene Corrêa. A aprovação da medida também afetará diretamente os aposentados e pensionistas. “Isso é o mais grave no PLC que o Buriti encaminhou”, opinou Rosilene.

Para evitar aglomerações no local, participaram do ato apenas os presidentes e diretores dos sindicatos e da CUT. Apesar das dificuldades, o presidente do Sindicato dos Servidores da Assistencia Social e Cultural do GDF (Sindsasc/DF) Clayton Avelar ressalta a importância de pressionar o governo a não aderir ao projeto. “Nós estamos aqui para conclamar as nossas respectivas categorias a se manifestarem, da maneira que é possível, contra o PLC 46. Ele vai significar uma redução salarial e, considerando que nós estamos com o salário congelado desde 2014, essa é uma medida totalmente injusta”, afirmou.

Entre os representantes presentes estavam os Sindicato dos Professores (Sinpro/DF), Sindicato dos Enfermeiros (SindEnfermeiro/DF), Sindicato dos Servidores Públicos Civis da Administração Direta, Autarquias, Fundações e Tribunal de Contas (Sindireta/DF), Sindicato dos Servidores da Assistencia Social e Cultural do GDF (Sindsasc/DF), Sindicato dos Servidores do Detran (Sindetran/DF), Sindicato dos Trabalhadores em Escolas Públicas (SAE/DF) e a Central Única dos Trabalhadores (CUT/DF).

 

Pressão

A diretoria colegiada do Sinpro-DF pediu, nesta terça-feira (23/6), que professores e orientadores educacionais enviassem mensagem de texto aos deputados distritais com pedido para que eles pressionem o governador Ibaneis Rocha (MDB) a não alterar as alíquotas previdenciárias. “Professor(a) e orientador(a) educacional, a participação de vocês é de extrema importância para impedir que o governo Ibaneis consiga aprovar, na Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF), o PLC 46/2020, que altera as alíquotas previdenciárias de 11% para 14% causando uma redução no salário líquido de cada trabalhador(a) do magistério público entre R$ 120,00 e R$ 300,00, a depender do salário de contribuição”, diz o texto do sindicato.

 

 

Fonte: Correio Braziliense

Palavra do Presidente

A Feprop foi constituída como resultado de uma pauta de compromissos assumidos no 1º congresso Nacional dos sindicatos dos Propagandistas e Vendedores de Produtos Farmacêuticos ocorrido em Junho de 2016, na ocasião, além da constituição de nossa Federação foi pont...

ler mais..

Bolsonaro sanciona MP que criou programa de manutenção do emprego

julho 8th, 2020 autor

Participe do ato das Centrais amanhã sem sair de casa

julho 7th, 2020 autor

Com a pandemia, 7 milhões de mulheres deixaram o mercado de trabalho

julho 7th, 2020 autor

Rodrigo Maia defende importância de sindicatos

julho 6th, 2020 autor

Feprop- federação dos propagandistas e vendedores de produtos farmacêuticos do estado do Rio de Janeiro – CNPJ 27.219.338/0001-95
Rua Prefeito Moreira Neto, 81 sala 301 Centro – Macaé RJ CEP 27.913-090 - Tel: 22 2772-4850 / 21 97422-0769 (WhatsApp)