Centrais sindicais reagirão à queda brutal do orçamento da fiscalização trabalhista no governo Bolsonaro

O novo orçamento do governo Bolsonaro para 2021 prevê que o montante de recursos para as fiscalizações trabalhistas, para o combate ao trabalho escravo, para o combate a acidentes de trabalho e doenças ocupacionais, será cortado pela metade.

No segundo governo Dilma as verbas de fiscalização eram de cerca de R$ 60 milhões e baixaram no governo Bolsonaro para
R$ 29 milhões.

A tática faz parte do enfraquecimento e da desvalorização do trabalho, amparada pelas reformas trabalhistas que atacam direitos e pioram a distribuição de renda, gerando mais desemprego – o que é ainda mais cruel em plena pandemia de Covid-19.

Para Airton Cano, coordenador da Fetquim/CUT, e diretor do Sindicato dos Quimicos do ABC,  “o momento é de resistência contínua”. “É preciso cobrar com as centrais sindicais em primeiro lugar a revisão desse orçamento para que a fiscalização do trabalho defenda a dignidade do trabalho. Ao mesmo tempo estamos atuando para que o patronato químico continue garantindo as cláusulas sociais de proteção ao trabalho para que as condições sejam sempre adequadas e seguras”.

André Alves, secretário de Saúde da Fetquim, e diretor do Sindicato dos Quimicos Unificados de Campinas  alerta: “ O desgaste com a pandemia foi enorme e o atual governo não pode desrespeitar os acordos sindicais e impedir que a fiscalização do trabalho exerça seu papel de garantir também junto com as entidades sindicais o trabalho seguro e decente.”

Para o assessor de Saúde e Previdência da Fetquim/CUT, Remígio Todeschini, “essa quebra histórica no papel de fiscalização com a diminuição do orçamento federal  contribuirá para que as empresas fiquem desleixadas no respeito as Normas de Segurança e Proteção existentes. Ao mesmo tempo cabe aos sindicatos e às Cipas estarem atentas e vigilantes para que as condições de trabalho não piorem nas empresas. É urgente, também,  que haja novos concursos para Auditores Fiscais do Brasil, pois o efetivo de fiscais é de 4 a 5 vezes menor do que qualquer país mais industrializado do mundo.”

As centrais sindicais estão atentas e alertam para que os sindicatos e trabalhadores pressionem seus deputados para que essa queda brutal do orçamento não se efetive. Também está em curso a mobilização para que haja votação da medida provisória para continuar o pagamento de R$ 600,00 do auxílio emergencial.

A atual  política genocida de não enfrentamento à Covid-19 pelo governo Bolsonaro, autoritário e fascista, decorre do congelamento criminoso dos gastos de saúde feitos desde o governo Temer e que foi agravado pelo atual governo. As forças conservadoras e as elites econômicas, com o papel criminalizador da imprensa comercial e as “fake news”, tiveram como resultante o estado caótico que vivemos. Sem contar com a destruição do meio ambiente, queimadas criminosas na Amazônia, Pantanal e Cerrado.

Pior: os orçamentos foram propositadamente rebaixados para retirar os instrumentos de fiscalização do meio ambiente  e de combate a incêndios tão necessário neste período.

 

Fonte: Mundo Sindical

Palavra do Presidente

A Feprop foi constituída como resultado de uma pauta de compromissos assumidos no 1º congresso Nacional dos sindicatos dos Propagandistas e Vendedores de Produtos Farmacêuticos ocorrido em Junho de 2016, na ocasião, além da constituição de nossa Federação foi pont...

ler mais..

CAF e OIT trabalharão juntas para promover mais e melhores empregos na América Latina e no Caribe

outubro 26th, 2020 autor

Cresce pauta sobre home office nas negociações trabalhistas

outubro 26th, 2020 autor

Governo vai simplificar duas mil normas trabalhistas

outubro 23rd, 2020 autor

OAB Nacional discutirá precarização de apps e relações trabalhistas

outubro 23rd, 2020 autor

Feprop- federação dos propagandistas e vendedores de produtos farmacêuticos do estado do Rio de Janeiro – CNPJ 27.219.338/0001-95
Rua Prefeito Moreira Neto, 81 sala 301 Centro – Macaé RJ CEP 27.913-090 - Tel: 22 2772-4850 / 21 97422-0769 (WhatsApp)