Altamiro Borges defende que o movimento sindical precisa falar mais para trabalhadores e trabalhadoras do mercado informal

O jornalista Altamiro Borges, presidente do Centro de Mídia Alternativa Barão de Itararé, foi o convidado na manhã desta quinta-feira (17) da reunião da Direção Nacional da Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB). Miro fez uma análise da conjuntura nacional e destacou que a bandeira da vacina contra o coronavírus é decisiva. Ele defendeu que o movimento sindical fale mais para aqueles que estão no mercado informal.

“O momento vai exigir do movimento sindical maior politização com mais classe e menos corpo. Não quer dizer que não vai ter a luta da sua categoria. Precisa falar mais pra classe e a classe não é os que estão no emprego formal. A classe é todo mundo: precarizado, terceirizado, uberizado. Vai exigir mais unidade do campo popular, ir atrás das convergências e evitar as divergências. Produzir frentes mais amplas para questões imediatas e para o futuro”, afirmou Miro.

Sobre a vacina, o jornalista disse que essa “é a bola que tá quicando pra salvar vidas”. Ele lembrou que no dia 27 de dezembro a vacinação começa na União Européia. “Quero ver como vai ser a repercussão no Brasil. Quero ver como os milicos que tem 900 mortos em quartéis no Brasil vão reagir”, disse Miro, que lembrou que Jair Bolsonaro declarou que não vai tomar a vacina.

Miro destacou que as eleições apontaram uma capacidade e um início de recuperação da esquerda. Citou as campanhas de Manuela D,ávila (PCdoB) e Guilherme Boulos (Psol) como novas lideranças da esquerda que se projetaram com “belíssimas campanhas”. “Em Porto Alegre, a Manuela fez um campanha que mexeu com a juventude,colocou a moçada para discutir política, enfrentar a misoginia e a Manuela teve 46% dos votos no segundo turno”, reiterou Miro.

Ele também lembrou que Boulos, um líder de movimento de moradia, teve 40% dos votos quando na última eleição a esquerda foi derrotada no primeiro turno. A eleição mostrou novos atores com muita força como jovens, mulheres, negros e periféricos que conquistaram vagas de vereadores em capitais. O sindicalismo tem que ver como estabelecer pontes com esses setores”.

Confira AQUI a apresentação na íntegra do jornalista Altamiro Borges

 

Fonte: Mundo Sindical

Palavra do Presidente

A Feprop foi constituída como resultado de uma pauta de compromissos assumidos no 1º congresso Nacional dos sindicatos dos Propagandistas e Vendedores de Produtos Farmacêuticos ocorrido em Junho de 2016, na ocasião, além da constituição de nossa Federação foi pont...

ler mais..

Auxílio Emergencial: Caixa paga última parcela a 4,9 milhões e encerra pagamentos a beneficiários do Bolsa Família

dezembro 23rd, 2020 autor

Desemprego diante da pandemia atinge 14,2% em novembro e bate novo recorde

dezembro 23rd, 2020 autor

Retomada econômica será lenta e irregular, prevê Ipea

dezembro 22nd, 2020 autor

STF derruba TR para correção monetária de dívidas trabalhistas

dezembro 21st, 2020 autor

Feprop- federação dos propagandistas e vendedores de produtos farmacêuticos do estado do Rio de Janeiro – CNPJ 27.219.338/0001-95
Rua Prefeito Moreira Neto, 81 sala 301 Centro – Macaé RJ CEP 27.913-090 - Tel: 22 2772-4850 / 21 97422-0769 (WhatsApp)