Mesmo na pandemia, sindicalismo firmou 8.574 acordos no semestre, aponta Dieese

A edição número 1 do boletim “De olho nas negociações”, do Dieese, reafirma o vigor sindical. Apesar da pandemia, que afeta a saúde e paralisa setores da economia, foram registrados 8.574 acordos das categorias. Ao esmiuçar as negociações, o Boletim indica que houve queda de 28% nas cláusulas econômicas – ou salariais. Ou seja, ante a pandemia, muitas negociações renovaram a Convenção Coletiva, sem tocar na questão salarial.

Pra falar das negociações, a live da terça (19) da Agência Sindical ouviu o professor Fausto Augusto Júnior, diretor-técnico do Dieese.

TRECHOS PRINCIPAIS:

Boletim – Desde que assumimos a direção do Dieese em fevereiro, ajustamos a linha editorial e o modelo de comunicação, que facilitem assessorar o sindicalismo nas negociações e lutas. O Dieese é o banco mais antigo de acompanhamento de negociações no Brasil.

Negociações – O governo defende a linha da individual. Já nosso objetivo é mostrar que a negociação coletiva tem um papel fundamental na sociedade brasileira, é fundamental na solução de conflitos. Houve mais de oito mil negociações. A grande maioria dos Sindicatos faz acordo por negociação.

Sindicalismo – Vimos mais de 15 milhões de acordos. Metade dos trabalhadores entrou no programa por meio de acordos coletivos. O movimento sindical mostrou que era possível negociar condições melhores. Garantiu renda básica, ampliou a estabilidade. Um volume muito grande de negociações aconteceu no período. Muitas empresas agora estão retornando do home office e os Sindicatos negociam protocolos para os trabalhadores.

Índices – Muita negociação adiou a questão salarial pra depois da pandemia. O que precisava era manter o emprego. No caso do Metrô, os trabalhadores queriam manter a Convenção Coletiva, que engloba segurança, jornada, um conjunto de itens que nesse momento são prioridades. Provavelmente no segundo semestre as coisas vão se recuperar. A inflação está baixa. Nosso maior desafio é manter emprego e direitos.

Protocolos – Tem diversos protocolos, de conteúdo variados. Muita entidade agiu pra impedir demissão. Os protocolos englobam um conjunto de questões sobre as dificuldades dos trabalhadores.

Segundo semestre – A pauta patronal é enxugar a Convenção Coletiva. Vimos isso no Metrô, que nem foi uma negociação, foi imposição. As negociações agora são defensivas. No meio de tudo isso há um governo que tenta enfraquecer o movimento. A questão do custeio deve aparecer em muitas campanhas. É uma pauta importante.

Contribuição – A gente precisa entender as diversidades, porque o movimento sindical é bastante amplo. Mas um conjunto muito grande de Sindicatos negocia. Se negociam, é razoável que haja taxa vinculada à negociação.

LIVE – Clique aqui e assista na íntegra.

 

Fonte:  Mundo Sindical

Palavra do Presidente

A Feprop foi constituída como resultado de uma pauta de compromissos assumidos no 1º congresso Nacional dos sindicatos dos Propagandistas e Vendedores de Produtos Farmacêuticos ocorrido em Junho de 2016, na ocasião, além da constituição de nossa Federação foi pont...

ler mais..

Nova diretoria do SINPROITA toma posse 2021

agosto 11th, 2021 autor

Eleição SINPRONORTE 2021

agosto 9th, 2021 autor
Diretoria SINPRONIG em Ação

Sinpronig- Vacinação Completa, Missão Cumprida

julho 23rd, 2021 autor

ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA PARA ACT COM PROPAGANDISTAS E VENDEDORES DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS EMPREGADOS DOS LABORATÓRIOS ACHÉ NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

julho 12th, 2021 autor

Feprop- federação dos propagandistas e vendedores de produtos farmacêuticos do estado do Rio de Janeiro – CNPJ 27.219.338/0001-95
Rua Prefeito Moreira Neto, 81 sala 301 Centro – Macaé RJ CEP 27.913-090 - Tel: 22 2772-4850 / 21 97422-0769 (WhatsApp)