Pesquisa mostra que trabalho informal eleva contágio e morte por Covid-19 no Brasil

Cidades com maior quantidade de trabalhadores informais foram as mais afetadas pela pandemia de Covid-19 no Brasil, segundo estudo realizado pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) em parceria com o IRD (Instituto Francês de Pesquisa e Desenvolvimento).

Para chegar a essa conclusão, o levantamento analisou dados socioeconômicos de todos os 5.570 municípios brasileiros e isolou diferentes indicadores, como pobreza, cor da pele, votos no primeiro turno da eleição presidencial e também o efeito da informalidade no trabalho.

Algumas correlações chamaram a atenção, com destaque para os efeitos do vínculo de emprego.

Os pesquisadores observaram que, para cada 10 pontos percentuais de informais a mais na população, a taxa de contágio aumenta em 29% e a taxa de mortalidade pela doença cresce, em média, 38%.

Isso significa que para cada 1 milhão de habitantes são registrados, em média, um adicional de 3.130 infectados e 88 mortes.

 

“Os municípios onde os trabalhadores informais são mais numerosos também são os mais afetados, para além do efeito amplificador das taxas de pobreza mais elevadas”, afirma o texto da pesquisa. Podemos supor que a falta de seguridade social e a necessidade de se deslocar no exercício de seu trabalho contribuem para essa especificidade daqueles que estão na informalidade.”

Nas várias comparações entre os municípios, destacam-se, por exemplo, Florianópolis (SC) e Boa Vista (RR).

Em Florianópolis, 23% dos trabalhadores são informais. O município, com pouco mais de 500 mil habitantes, tinha 4.697 casos em 11 de agosto. Registrava 938 contaminados e 15 mortes para cada 100 mil habitantes naquele momento.

Boa Vista, por sua vez, é um pouco menor. Tem uma população estimada de 399,2 mil habitantes. Mas quase o dobro de informais que a capital de Santa Catarina: 41% dos trabalhadores. No mesmo 11 de agosto, o município tinha 27.334 casos, sendo 6.847 doentes e 108 mortes por 100 mil habitantes.

A pesquisa identifica a correlação entre trabalho informal e avanço do coronavírus em vários outros exemplos. Curitiba (1,9 milhão de habitantes e 25% de informais) tinha 20.629 casos em 11 de agosto —678 mortes, o equivalente a 35 pessoas a cada grupo de 100 mil habitantes.

Fortaleza (2,7 milhões de habitantes e 36% de informais), na mesma data tinha 44.009 casos — 3.742 mortes, o equivalente a 140 por 100 mil habitantes.

“Nossa conclusão é que o trabalhador informal, além de ter uma renda menor, fica mais exposto aos riscos da Covid-19, pois a natureza da atividade exige contato com o público, locomoção constante e, não raro, convívio com áreas que têm condições sanitárias piores”, disse o pesquisador François Roubaud, um dos autores do estudo.

Segundo o estudo da UFRJ, outros efeitos ainda tiveram conclusões significativas.

O indicador de pobreza, medido pela taxa de beneficiários do auxílio emergencial, também foi considerado como um fator de risco.

Segundo o estudo, um aumento de 10 pontos percentuais no total de pobres em cada cidade leva ao aumento nos óbitos em 73% —ou 167 a mais por milhão de habitante. O total de casos tem um acréscimo de 52%, ou 5.667 novos contaminados.

A pesquisa ainda não foi publicada, nem submetida a revisão por pares. A previsão é que o estudo entre em discussão no Instituto de Economia da UFRJ nesta semana.

Os pesquisadores explicam que, em termos metodológicos, desenvolveram coeficientes a partir de um modelo econométrico que reúne uma grande variedade de indicadores demográficos, habitacionais, econômicos, do mercado de trabalho, de mobilidade e políticos.

“Assim, os efeitos das diferentes variáveis são analisados dentro de um conjunto, a fim de identificar os impactos específicos de cada uma delas, como informalidade ou raça”, diz a pesquisadora Mireille Razafindrakoto.

“Ao analisar as diversas variáveis simultaneamente, nós vamos além das simples constatações de correlações entre elas, duas a duas, o que poderia conduzir a interpretações errôneas.”

François reforça que o efeito informalidade, por exemplo, traz a análise dos impactos puros do emprego informal, que foram estudados individualmente em cada um dos 5.570 municípios do país, e não podem ser confundidos com os resultados de outros indicadores, que também foram obtidos e avaliados no estudo, como raça, classe social e até voto no primeiro turno da última eleição.

A pesquisa também identifica que o auxílio emergencial de R$ 600 teve um efeito mitigador duplo, na medida em que reduziu tanto os riscos associados à informalidade no trabalho, ao evitar que a pessoa saia de casa, quanto o impacto da pobreza, ao elevar a renda de muitas famílias.

Traçando cenários, a constatação é que o número de mortes seria menor nos lugares onde a população informal tivesse conseguido mais apoio governamental.

 

 

Fonte: Folha de S.Paulo

Palavra do Presidente

A Feprop foi constituída como resultado de uma pauta de compromissos assumidos no 1º congresso Nacional dos sindicatos dos Propagandistas e Vendedores de Produtos Farmacêuticos ocorrido em Junho de 2016, na ocasião, além da constituição de nossa Federação foi pont...

ler mais..

Nova diretoria do SINPROITA toma posse 2021

agosto 11th, 2021 autor

Eleição SINPRONORTE 2021

agosto 9th, 2021 autor
Diretoria SINPRONIG em Ação

Sinpronig- Vacinação Completa, Missão Cumprida

julho 23rd, 2021 autor

ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA PARA ACT COM PROPAGANDISTAS E VENDEDORES DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS EMPREGADOS DOS LABORATÓRIOS ACHÉ NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

julho 12th, 2021 autor

Feprop- federação dos propagandistas e vendedores de produtos farmacêuticos do estado do Rio de Janeiro – CNPJ 27.219.338/0001-95
Rua Prefeito Moreira Neto, 81 sala 301 Centro – Macaé RJ CEP 27.913-090 - Tel: 22 2772-4850 / 21 97422-0769 (WhatsApp)