Seis em cada 10 trabalhadores brasileiros temem perder o emprego nos próximos 12 meses, aponta pesquisa

Seis em cada 10 trabalhadores brasileiros temem perder o emprego nos próximos 12 meses. É o que aponta uma pesquisa realizada pelo Ipsos a pedido do Fórum Econômico Mundial (FEM).

O levantamento foi realizado com 12 mil trabalhadores em 27 países. Na média, 54% deles manifestaram temer o desemprego.

Dentre os 10 países com maior proporção de trabalhadores com este temor, o Brasil ficou na nona posição, empatado com a África do Sul.

A Rússia lidera o ranking com maior proporção de trabalhadores temerosos pelo desemprego (75%), seguida pela Espanha (73%). Já a menor proporção foi observada na Suécia (30%) e Alemanha (26%).

No ranking, o Brasil (63%) ficou entre os outros dois países da América do Sul que participaram da pesquisa – abaixo do Chile (66%), mas acima da Argentina (60%).

 

Três em cada 10 brasileiros temem muito o desemprego

Considerando o nível de preocupação, o Brasil apresentou a terceira maior proporção de trabalhadores (32%) que se disseram muito preocupados com a ameaça de demissão, ficando atrás somente da Espanha (39%) e da Rússia (33%).

A Malásia e a Rússia foram os países com os menores percentuais de trabalhadores que manifestaram total despreocupação com o desemprego – respectivamente 6% e 7%.

No Brasil, 15% dos trabalhadores disseram não estar preocupados. A maior proporção de trabalhadores despreocupados foi observada na Suécia e Alemanha, ambos com 35%.

O Fórum Econômico Mundial apontou que a crise provocada pela pandemia da Covid-19 “acelerou as tendências para a automação e o uso de inteligência artificial”, o que pode estar relacionado ao temor pelo desemprego.

“Os empregos certamente desaparecerão – mas estão surgindo novos que exigem habilidades diferentes”, ponderou a instituição.

 

Otimismo com a requalificação

A pesquisa mostrou que o temor pelo desemprego é superado pela expectativa de requalificação profissional, promovida pelo próprio empregador, para atender às novas demandas do mercado de trabalho. Na média global, 67% dos trabalhadores se disseram otimistas quanto a essa possibilidade.

No Brasil, 79% dos trabalhadores disseram estar confiantes com a possível requalificação no trabalho.

Dentre os 27 países, Espanha (86%), Peru (84%) e México (83%) foram os países que apresentaram as maiores proporções de trabalhadores que disseram acreditar na própria capacidade de desenvolver novas habilidades.

Já Japão (45%), Suécia (46%) e Rússia (48%) foram aqueles com os menores percentuais de trabalhadores que apostam na requalificação profissional.

O Fórum destacou, no entanto, que Estados Unidos e Alemanha foram aqueles onde o otimismo na aquisição de novas habilidades no trabalho mais superou o medo do desemprego, com uma diferença de 40 pontos percentuais (p.p.) entre cada grupo.

A preocupação com a perda de empregos é mais prevalente que a expectativa de adquirir novas habilidades na Rússia (28 p.p.) e, em menor grau, na Malásia (13 p.p.), Polônia (12 p.p.), Japão (8 p.p.), Turquia (6 p.p.) e Coréia do Sul (5 p.p.).

 

Fonte: G1

Palavra do Presidente

A Feprop foi constituída como resultado de uma pauta de compromissos assumidos no 1º congresso Nacional dos sindicatos dos Propagandistas e Vendedores de Produtos Farmacêuticos ocorrido em Junho de 2016, na ocasião, além da constituição de nossa Federação foi pont...

ler mais..

Sindicatos Finalizam 1ª rodada de pagamentos aos Colegas do Aché no ACT com FEPROP

junho 2nd, 2022 autor

Propagandistas fazem manifestação na sede da Pfizer Brasil

maio 26th, 2022 autor

NOTA DE REPÚDIO FACE DEMISSÃO EM MASSA DOS LABORATÓRIOS PFIZER

maio 21st, 2022 autor

Propagandistas buscam atualização da lei que regulamenta a profissão.

abril 29th, 2022 autor

Feprop- federação dos propagandistas e vendedores de produtos farmacêuticos do estado do Rio de Janeiro – CNPJ 27.219.338/0001-95
Rua Prefeito Moreira Neto, 81 sala 301 Centro – Macaé RJ CEP 27.913-090 - Tel: 22 2772-4850 / 21 97422-0769 (WhatsApp)