Altamiro Borges defende que o movimento sindical precisa falar mais para trabalhadores e trabalhadoras do mercado informal

O jornalista Altamiro Borges, presidente do Centro de Mídia Alternativa Barão de Itararé, foi o convidado na manhã desta quinta-feira (17) da reunião da Direção Nacional da Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB). Miro fez uma análise da conjuntura nacional e destacou que a bandeira da vacina contra o coronavírus é decisiva. Ele defendeu que o movimento sindical fale mais para aqueles que estão no mercado informal.

“O momento vai exigir do movimento sindical maior politização com mais classe e menos corpo. Não quer dizer que não vai ter a luta da sua categoria. Precisa falar mais pra classe e a classe não é os que estão no emprego formal. A classe é todo mundo: precarizado, terceirizado, uberizado. Vai exigir mais unidade do campo popular, ir atrás das convergências e evitar as divergências. Produzir frentes mais amplas para questões imediatas e para o futuro”, afirmou Miro.

Sobre a vacina, o jornalista disse que essa “é a bola que tá quicando pra salvar vidas”. Ele lembrou que no dia 27 de dezembro a vacinação começa na União Européia. “Quero ver como vai ser a repercussão no Brasil. Quero ver como os milicos que tem 900 mortos em quartéis no Brasil vão reagir”, disse Miro, que lembrou que Jair Bolsonaro declarou que não vai tomar a vacina.

Miro destacou que as eleições apontaram uma capacidade e um início de recuperação da esquerda. Citou as campanhas de Manuela D,ávila (PCdoB) e Guilherme Boulos (Psol) como novas lideranças da esquerda que se projetaram com “belíssimas campanhas”. “Em Porto Alegre, a Manuela fez um campanha que mexeu com a juventude,colocou a moçada para discutir política, enfrentar a misoginia e a Manuela teve 46% dos votos no segundo turno”, reiterou Miro.

Ele também lembrou que Boulos, um líder de movimento de moradia, teve 40% dos votos quando na última eleição a esquerda foi derrotada no primeiro turno. A eleição mostrou novos atores com muita força como jovens, mulheres, negros e periféricos que conquistaram vagas de vereadores em capitais. O sindicalismo tem que ver como estabelecer pontes com esses setores”.

Confira AQUI a apresentação na íntegra do jornalista Altamiro Borges

 

Fonte: Mundo Sindical

Palavra do Presidente

A Feprop foi constituída como resultado de uma pauta de compromissos assumidos no 1º congresso Nacional dos sindicatos dos Propagandistas e Vendedores de Produtos Farmacêuticos ocorrido em Junho de 2016, na ocasião, além da constituição de nossa Federação foi pont...

ler mais..

FEPROP na luta pela vacinação da categoria

maio 5th, 2021 autor

DEBATE SOBRE FLEXIBILIZAÇÃO TRABALHISTA

maio 3rd, 2021 autor

1º de Maio 2021

maio 1st, 2021 autor

Acordo Coletivo de Trabalho celebrado entre FEPROP e Laboratórios Aché regula compensação de feriados durante a pandemia e resguarda a segurança da categoria

abril 15th, 2021 autor

Feprop- federação dos propagandistas e vendedores de produtos farmacêuticos do estado do Rio de Janeiro – CNPJ 27.219.338/0001-95
Rua Prefeito Moreira Neto, 81 sala 301 Centro – Macaé RJ CEP 27.913-090 - Tel: 22 2772-4850 / 21 97422-0769 (WhatsApp)